Fundo de Cultura

18/08/2017 15:20

Thiago Romero fica em cartaz com Mundaréu, em Alagoinhas

e
Foto: Andréa Magnoni
“Sonho que se sonha só. É só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade”, escreve Raul Seixas em Prelúdio. Sonhos estes que fizeram os artistas Daniel Arcades e Thiago Romero se juntarem pela sétima vez e caminharem pelo interior do Brasil para falar sobre sonhos, saudades e o ato político de amar. Este é o fio condutor de Mundaréu, que traz Romero em cena e faz parte do NATAS EM SOLOS, ação que integra o projeto OROAFROBUMERANGUE, do Núcleo Afro Brasileiro de Teatro de Alagoinhas. Apoiado pelo Fundo de Cultura, o espetáculo será apresentado no dia 19 de agosto, no Centro de Cultura de Alagoinhas – espaço administrado pela SecultBA –, às 20h.

Inspirado no universo literário de escritores como Guimarães Rosa, Mia Couto, José Eduardo Agualusa e em manifestações da cultura popular brasileira, Mundaréu é um convite a acompanhar as andanças da personagem Cascudo, que carrega os sonhos dos inventados. Memória, partidas, saudades, ancestralidade e encontros são mais importantes que o percurso feito pelo andarilho durante a peça. Em Mundaréu, o interior também ganha uma outra conotação, não é somente as estradas percorridas, é o nosso inconsciente, nossos desejos e sonhos.

Mundaréu integra o Natas em Solos, um projeto artístico-investigativo-formativo que consiste na investigação, montagem e apresentação de seis solos concebidos e realizados pelos intérpretes/criadores do NATA a partir das pesquisas cênicas individuais destes artistas. As montagens ficam em cartaz de 18 a 27 de agosto, às 20h, com ingressos a R$ 10 e R$ 5.

e
Foto: Andréa Magnoni

O público poderá conferir no Centro de Cultura de Alagoinhas os solos Iyá Ilu de Sanara Rocha (18 - sexta-feira), Mundaréu de Thiago Romero (19 – sábado), Impopstor de Daniel Arcades (20 - domingo), Gbagbe de Nando Zâmbia (24 - quinta), As Bala Que Não Dei Ao Meu Filho de Antônio Marcelo (26 - sábado), e Rosas Negras de Fabíola Nansurê (27 – domingo).

As apresentações fazem parte do projeto OROAFROBUMERANGUE, que tem o apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura da Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, aprovado no Edital Setorial de Teatro da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), com produção da Modupé Produtora.

Espaços Culturais da SecultBA - A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia mantém 17 espaços culturais geridos pela Diretoria de Espaços Culturais (DEC), e localizados em diversos Territórios de Identidade. Destes, cinco encontram-se em Salvador - Cine Teatro Solar Boa Vista, Espaço Xisto Bahia, Casa da Música de Itapuã, Centro de Cultura de Plataforma e Espaço Cultural Alagados - e 12 nos municípios de Alagoinhas, Feira de Santana, Guanambi, Itabuna, Jequié, Juazeiro, Lauro de Freitas, Mutuípe, Porto Seguro, Santo Amaro, Valença e Vitória da Conquista. Para mais informações, acesse: www.espacosculturais.wordpress.com.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.