Fundo de Cultura

12/02/2020 09:30

Curadoria do IX CachoeiraDoc abriga diversidade de trajetórias e de perspectivas.

Rayanne_Layssa_Foto_Divulgacao
Foto: Divulgação

Depois de receber mais de duas centenas de candidaturas, a IX edição do CachoeiraDoc tem a sua equipe de curadoria e programação já formada. O festival, que acontece entre os dias 26 e 31 de maio, em Cachoeira, no Recôncavo da Bahia, traz um grupo que se destaca pela ênfase nas diversidades de experiências de vida e trajetórias profissionais. Essa composição agregará muitos olhares e pontos de vista à grade de filmes do nono CachoeiraDoc. 

Com mulheres e negrxs em maioria, oito pessoas participarão do processo. Todas elas com atuação em pesquisa de audiovisual e curadoria de eventos na área, vindas de estados como Bahia, Pernambuco, Santa Catarina e São Paulo. Os nomes são: Evelyn Sacramento, Fabio Rodrigues, Kênia Freitas, Patrícia Mourão, Ramayana Lira e Rayanne Layssa, na curadoria. Os assistentes de curadoria são alunos da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB): Álex Antônio e Otávio Conceição.

Amaranta Cesar, idealizadora e uma das coordenadoras do festival, celebra a quantidade de pessoas interessadas em construir um CachoeiraDoc potente e expressivo. "Recebemos um número de inscrições muito maior do que esperávamos. A tarefa de selecionar, no conjunto amplo e vigoroso, uma equipe dentro das nossas limitações foi dificílima", detalha. "Muita gente interessantíssima nos foi revelada e descobrimos iniciativas diversas, poderosas e desafiadoras espalhadas pelo Brasil, o que nos deu uma clara visão do quanto de resistência existe neste país, através/com/pelo cinema".

O festival busca fomentar a difusão e a produção de documentários, assim como a discussão sobre o gênero, por meio de oficinas, debates, ciclo de conferências e exibição de filmes. O CachoeiraDoc já se consolidou como um dos principais festivais do gênero no país. Nas oito edições anteriores, cerca de 17 mil pessoas assistiram a mais de 320 documentários, muitos deles inéditos na Bahia e Brasil. O CachoeiraDoc é uma realização da Cura e Cultura e do Grupo de Estudos e Práticas do Documentário, do Curso de Cinema e Audiovisual da UFRB, produção da Ritos Produções, e conta com o apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura, por meio do Edital Setorial do Audiovisual 2019.

Inscrições de filmes - Além disso, as inscrições para filmes documentais que vão compor a programação do evento seguem abertas. As realizadoras e os realizadores interessados em exibir seus trabalhos na programação do festival podem enviar seus filmes até o dia 02 de março (segunda-feira), no endereço: www.cachoeiradoc.com.br

Documentários de curta, média e longa metragens vão compor a Mostra Brasileira de Documentários. Ela será formada por programas a serem criados pela comissão de seleção e curadoria do festival, a partir das especificidades temáticas, estéticas e políticas das obras inscritas. Não haverá, portanto, competição entre os filmes.

A inscrição é gratuita para filmes nacionais, e/ou realizados em coprodução com outros países, e finalizados a partir de 2018. Os títulos escolhidos para integrar a programação do IX CachoeiraDoc serão oficialmente divulgados no mês de abril. Assim como as inscrições, o regulamento detalhado também pode ser conferido no site do evento.

Curadoria do IX CachoeiraDoc:

Evelyn Sacramento - Mestre pelo Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Estudo Étnicos e Africanos da Universidade Federal da Bahia (UFBA), possui graduação em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). No cinema, realizou trabalhos como diretora de arte e figurino. Atuou como curadora da mostra Cine Tela Preta (BA), idealizada pelo coletivo Tela Preta, grupo do qual faz parte desde 2013. É co-fundadora do projeto Lendo Mulheres Negras, que evidencia a produção literária de autoras negras.

Fabio Rodrigues - É mestrando no programa de Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Graduou-se também em Comunicação na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), onde foi participante e coordenador do Cineclube Mário Gusmão. Atua em curadoria e programação em cinema, integrando as comissões de seleção de festivais, mostras de filmes e laboratórios. Em 2017, foi júri jovem do CachoeiraDoc.

Kênia Freitas - Professora, crítica e curadora de cinema, é pesquisadora de Afrofuturismo e Cinema Negro. Pós-doutoranda em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Já atuou como curadora em mostras, a exemplo de Afrofuturismo: cinema e música em uma diáspora intergaláctica (Caixa Belas Artes/SP), A Magia da Mulher Negra (Sesc Belenzinho/SP, 2017) e Diretoras Negras no Cinema Brasileiro (Caixa Cultural Brasília e RJ, 2017, Sesc Minas, 2018). Sua produção crítica pode ser encontrada o site Multiplot!. É integrante do Elviras - Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Patrícia Mourão - Pós-doutoranda no departamento de Artes Visuais da Universidade de São Paulo (USP). Tem doutorado em cinema pela mesma instituição. Tem programado sessões de filmes de artistas na Semana dos Realizadores, no Rio de Janeiro. Já programou mostras de cinema, como Docs Kingdom – Seminário Internacional sobre Cinema Documental, em Arcos do Valdevez (Portugal), e Harun Farocki: por uma politização do olhar (Cinemateca Brasileira, 2010). Organizou e co-organizou publicações sobre cinema, também atua como professora.

Ramayana Lira - Professora e pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem e do curso de Cinema e Audiovisual na Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). No Programa Fulbright Scholar-in-Residence, nos Estados Unidos, ministrou um curso sobre Cultura Afro-Brasileira e organizou a mostra Afro-Brazilian Film Series, no Dickinson College. É vice-presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (SOCINE). Foi do júri oficial da Mostra de Cinema de Tiradentes, curadora do Festival Audiovisual Mercosul, da Mostra Gênero (Coletivo Murro, Criciúma-SC), é membro do elaSCine (coletivo de mulheres do audiovisual de Santa Catarina) e ativista do 8M-SC.

Rayanne Layssa - Graduanda em cinema da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), iniciou os estudos na área na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atuou na monitoria do Festival Sergipe de Audiovisual (Sercine) e na assistência de curadoria do Festival Internacional de Cinema de Realizadoras (FINCAR), em Recife. Também colaborou no Festival Palco Preto de Artes Integradas (PE) e na curadoria da segunda edição da Mostra Itinerante Cinemas Negros - Mohamed Bamba (BA). Participou do Encontro Zózimo Bulbul, no Rio de Janeiro.

Assistentes de Curadoria:

Álex Antônio - Graduando em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), sócio fundador da Travessia Filmes e membro do Cineclube Mário Gusmão, onde vem se dedicando à pesquisa em torno do cinema negro, um dos curadores da Mostra Permanente de Resistências e da Mostra Performance Negra. Desenvolve uma pesquisa sobre afeto no cinema negro contemporâneo que resultou na mostra “Afeto Formador”. Já ministrou oficinas de produção audiovisual em escolas públicas de Cachoeira e Cabaceiras do Paraguaçu.  Em 2017, foi júri jovem do CachoeiraDoc.

Otávio Conceição - Graduando em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Participou como assistente de direção, direção e direção de som de curtas metragens. Possui experiência cineclubista, sendo membro do Cineclube Mário Gusmão há dois anos, participando de realização de oficinas, mostras e sessões, tanto em produção quanto captação de som, e também auxiliando no processo curatorial de algumas mostras. É também membro do grupo de pesquisas e experimentações sonoras Sonatório, administrado por Marina Mapurunga.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) - Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br 


IX CACHOEIRADOC
- 26 a 31 de maio de 2020
O quê: Inscrições de filmes para programação do evento
Quando: até 02 de março (segunda-feira), no link: http://www.cachoeiradoc.com.br/2020/
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.